Depois de 48 anos, Santos volta a conquistar a Libertadores

O Santos derrotou o Peñarol por 2 a 1, na noite desta quarta-feira, e conquistou o tricampeonato da Libertadores e acabou com um jejum de 48 anos sem ganhar o principal torneio intercontinental. O título foi ainda inédito para o técnico Muricy Ramalho.

No entanto, após o apito final, antes da festa santista, uma briga entre os jogadores aconteceu no campo, e os policiais tiveram muito trabalho para separá-los.

Com o resultado, o Santos se classifica para disputar o Mundial Interclubes no Japão juntamente com o Barcelona, atual campeão da Copa dos Campeões.

Vanderlei Almeida/France Presse
O atacante Neymar comemora o primeiro gol santista; clique na imagem e veja galeria

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O primeiro tempo dava indício de que o jogo seria morno. Nem tinha cara de decisão e, apesar de ter o Santos dominando na maior parte do tempo, acabou 0 a 0.

O Santos manteve o jogo sob controle, mas criou pouco e teve dificuldades para finalizar com qualidade. Mérito também da zaga uruguaia, que desarmou Ganso, Elano e Neymar muitas vezes com pressão e atenção.

Ganso, craque santista tão esperado para o duelo, mostrou que está recuperado da lesão na coxa direita e aguentou a o jogo duro. O craque santista sofreu com a forte marcação e com a falta de ritmo do árbitro argentino Sergio Pezzota, que fingiu não ver algumas faltas sofridas pela equipe santista.

A festa no Pacaembu começou aos 2min do segundo tempo com Neymar abrindo o placar. Depois disso, só deu o time da baixada e o desespero dos jogadores do Peñarol.
Danilo marcou o segundo gol aos 24min, com um chute preciso, de longe e certeiro.

Posse de bola, bons dribles e muita pressão no ataque já apontava que o Santos sairia vitorioso. O susto veio aos 35min, com um gol contra de Durval, que tentou tirar a bola e, com efeito, ela balançou as redes de Rafael.

Muricy Ramalho, ao fim da partida, disse que mereceu esse título. Ele arrumou a equipe do Santos e colocou os jovens jogadores brasileiros no caminho. Brilhou assim como Neymar, Ganso, Arouca e Elano, já que conseguiu manter a calma da equipe para desenvolver um futebol bonito, técnico e campeão.

Editoria de Arte / Folhapress
Editoria de Arte / Folhapress